Laval para os Lapins (17) – Epílogo

A nossa série de posts sobre Laval chega ao fim.
Claro que morando aqui, sempre haverá assunto ligado a cidade que será postado, mas nada que tenha “compromisso” com esse conjunto de impressões que publicamos.  

Há quem questione porque resolvi publicar essa série de posts “LAVAL PARA OS LAPINS”.
Para começar, o “PARA” do título quer dizer que é a nossa visão sobre o assunto.

Algumas questões levantadas e algumas verdadeiras razões:

1) Será que eu trabalho na prefeitura de Laval?
Não. 

2) Porque quero me candidatar a algum cargo político?
Pantoute!

3) Porque bastante gente gentil já me escreveu perguntando sobre Laval?
Sim!
Então em vez de escrever um email cada vez, disse tudo o que sabemos e vivemos até aqui sobre o assunto com a série. Agora é só digitar ali na caixinha “pesquise nos arquivos” a palavra “Laval” e pronto: tudo que meu “observômetro”, meu “pitacômentro” e meu “teorator Tabajara” registraram, aparecerá mastigadinho numa lista de posts.
Então antes de perguntar, o internauta deverá ser razoável, “com noção” e ler se nada sobre o assunto já não foi dito.
Vale lembrar que quando viemos para cá, eu e família tivemos que arriscar com base nas informações que tínhamos e principalmente na coragem. Quem não tem coragem e não assume riscos, já começa mal o processo, na minha modestíssima opinião. 

4) Será que é porque eu quero que os brasileiros elejam Laval como seu destino no Québec?
Pantoute, pantoute, nã-nã-ni-nã-nããããão!
Pra dizer a minha verdade verdadeira (já me desculpando pela sinceridade!), eu não tô nem ai onde os brasileiros vão se instalar, cada um no seu quadrado e que sejam todos bem felizes ali nas suas 4 linhas.
Acontece que eu já ouvi muita gente falando muita groselha de uma cidade onde não pôs jamais os pés, ou se pôs, por azar foi em algum lugar ruim, e pronto, o preconceito chegou, baixou e saravou, já generalizou tudo!
É um tal de ficar repetindo nhé nhé nhé, não sei o quê que não sei quem disse, porque “ah, eu vi no orkut”…Esse negócio de “copiar e colar” o que os outros dizem só faz as pessoas fecharem seus mundinhos cada vez mais. Eu acho que o indivíduo deveria ir conferir,  se informar (mas se informar mesmo, não ficar atrás do que beltrano ou ciclano falou!) antes de ficar arrotando verdades sobre algo que não conhece ou conhece bem pouco. É no mínimo curioso ver que o preconceito ou a preguiça de se informar, pode levar pessoas a deixar de aproveitar muita coisa boa disponível por aí… 

5) Sempre me perguntam isso então deixo registrada a resposta para todos:
Eu acho fácil morar em Laval e trabalhar em Montréal e o Husband trabalha em Terrebonne Laval, ou seja, Laval está bem no meio bem localizada para os dois**.
Mas se é conveniente ou não depende, entre outros fatores, do quanto a pessoa costuma se locomover no BR e quanto quer se locomover aqui. A pergunta que se deve fazer é: Qual o tamanho do meu mundo? Se ele for pequeno, Laval é longe. Assim como a Freguesia do Ó é longe da Lapa (joga no Google benhê!). Atravessar uma ponte de carro em 3 minutos pode ser uma barreira quase intransponível para muita gente. Eu não imigrei 9000 kms para ficar passando perrengue aqui (embora seja uma pessoa que pede licença e vai a luta), então se eu achasse que esse “imenso” deslocamento causa danos minha qualidade de vida, não estaria fazendo.
Também acho curioso quando vejo um monte de gente que chega aqui querendo morar a 1 quarteirão de distância do metrô, paga uma fortuna de aluguel por isso e… compra carro assim que pisa em Montréal sem usar transporte comum jamais, afinal, isso “é coisa de pobre“. Cada um faz o que quer do seu dinheiro e vida, mas não posso deixar de criar minha própria opinião à respeito: eu acho paradoxal.

6) Por experiência própria, sei que do Brasil fica difícil ter uma noção das dimensões da cidade, o que ela oferece em termos de infraestrutura, transportes, se é bonita ou feia, etc. Eu tinha dificuldade em fazer uma imagem do que era a cidade quando estava no Brasil, o que causava certa angustia. Se bem que de lá para cá houve um aumento astronômico de fontes de informações oficiais e oficiosas, ferramentas novas como street view, muito mais informações interativas disponibilizadas pela administração pública, etc… Então pronto: deixo com a série de posts todos os meus “dois cents”.

7) Neste espaço, eu falo com sinceridade de produtos e serviços nos quais eu acredito e gosto, assim como eu meto o pau naqueles que NÃO acredito, depois de conhecê-los, claro. Em ambos os casos, minha opinião NÃO é engessada, imutável. Então acho que nada mais justo que falar dessa cidade também, já que acredito nela, estou satisfeitíssima com ela.  E acho injusto as pessoas conhecerem meia dúzia de quarteiroes de Laval e já sairem dando vereditos sobre a cidade sem realmente se informarem  sobre ela. Se fosse uma cidade abandonada pelo poder público, vá lá, mas não sendo, não acho justo. Principalmente se levar em consideração que Laval só existe como cidade há pouco mais de 20 anos e já é desenvolvida como é…

8) Acho interessante registrar para nossas próximas gerações como nós, que seremos tratados futuramente como “suas origens”, víamos a cidade que escolhemos viver neste país desde nossa chegada, verem como era a interação dela com outras cidades. Eles poderão comparar o quanto ela (e nós) mudaremos com o passar do tempo.  

9) Pelo motivo mais importante de todos:
Para deixar registrado e  nunca me esquecer de todas as coisas que nos trazem tanta satisfação neste lugar. Aqui é o nosso querido “chez-nous”.

Abraços

Lapin-Mère
23/09/2011

PS: O que escrevo no blog não é verdade absoluta, é a verdade sob minha ótica, mas tem uma série de links úteis e oficiais, para quem tiver interessado em conferir.

Inicio da série:  http://bit.ly/lybtYA

** Parágrafo atualizado em jan/2012: Husband agora trabalha em Laval mesmo, yuhuuuuuuuu!

16 comentários sobre “Laval para os Lapins (17) – Epílogo

  1. Parabéns Érika pela série de posts sobre nossa querida cidade. Concordo com tudo o que você disse. Como vocês, já ouvi falarem muita merda sobre a cidade e já conheci outros fãs de aluguel caro e avessos aos transporte público,etc… Vamos deixar este povo pra lá e curtir nossa cidade.
    Ale

  2. Ótimo post. Também acho um absurdo as pessoas falarem mal de uma cidade que nem conhecem. Aliás, falando em transporte público, eu trabalho no centro de Montreal ao lado da estação de metro e quase todo mundo aqui vem de transporte público, até o meu chefe. E não é que não tenham carro, mas porque é muito mais rápido, menos estressante e mais econômico vir para o trabalho de transporte público. E parabéns pela série de posts sobre Laval, eu amei todos! Um grande abraço para vocês!

    Fernanda

  3. Erika,
    Adorei a série, acompanhei cada post e quero dizer q abriu uma possibilidade de nos estabelecermos
    aí. Qdo chegarmos vamos visitar o lugar (assim como outros 3 ou 4 quartiers de MTL), pesquisar e
    dentre outra dezena de fatores, veremos se vale a pena. A série valeu pra nos informarmos melhor,
    com tantos links e impressões pessoais q vc deixou… além disso, confiamos no seu “tato” pras
    coisas. Só pedimos é pro relógio passar mais rápido pq a espera é chaaataaa…
    Abraço

    p.s.: honra ao mérito pelo item 5… ahahahah!

  4. ahhh adorei a série! Embora eu não esteja aí, adoro Laval e tenho ótimas lembranças daí rs pra mim é muito boa essa idéia de morar em Laval e trabalhar em Montréal. Desde claro, se more nas perto das estações de metro rs não como meus amigos hahah que já estão mais para fora de Laval rs

  5. Nunca pensei me me instalar em Laval, mas adoro aí! De verdade! E nem é só porque meus Lapins queridos moram na cidade. Rá! Aliás, não sei como é pra ir pra Terrebonne (imagino que seja mais chato), mas ir pra Montreal da casa de vocês é super tranquilo de transporte público. Ou seja, cai um mito de que Laval é longe. Oi?

    Nós escolhemos pagar um preço salgado pro nosso aluguel porque amamos a região que escolhemos e é super perto de onde trabalhamos/estudamos. Mais do que favoráveis ao transporte público, somos favoráveis a ir a pé hehehehe E em Montreal também dá pra pagar barato e ser bem servido de transporte público.

    E eu sou bem como você também: acho que cada um tem de fazer aquilo que LHE agrada, que LHE convém. A decisão de onde morar é tão, mas tãããããããão íntima, que acho uma perda de tempo dizer que fulano tá certo ou fulano tá errado. Se as pessoas se metessem menos nas vidas das outras, o mundo ia ser mais bacana, hein?

    Beijos, queridos! Saudades!

  6. Eu adorei demasiado sua sinceridade e, demasiadamente seus posts sobre Laval. Ainda é cedo para decidirmos em qual cidade montar a lona, mas depois de suas contribuições no nosso entendimento, certamente, iremos levar em consideração Laval.Inicialmente, exatamente, por não termos noção do tamanho da Região Metropolina e sua organização em relação a bagunça infernal de São Paulo, pensamos em primeiramente se alucar em Montreal, e depois procurar o nosso canto. Eu quero com muita gratidão deixar meu abraço e agradecimento à familia Lapins por seus importantes temas tratados neste seu espaço.

  7. Adorei os posts Laval para os Lapins, principalmente pq pretendo ficar em Laval tbm. Tenho um casal de amigos morando aí desde Julho e um deles tbm trabalha em Montreal e é super fácil. Nem se compara com a minha viagem diária pra ir da ZL pra ZS em SP todo dia… rsrs
    Bjos,
    Pat

  8. Escrever na internet é se expor, e tem muita gente que não entende que as pessoas tem opiniões pessoais e que, não, se alguém discorda de você ela não está te atacando pessoalmente. O melhor a fazer é ignorar esse tipo de gente e seguir a vida. Nós, que aproveitamos das suas opiniões e informações, agradecemos 😉

  9. Oi Erica,

    Parabens pelos posts, eles tem dicas otimas mesmo para quem mora por aqui!!!! Adoramos Laval mas estamos em clima de despedidas …. escolhas! Com certeza voltaremos com frequencia para visitar nossos cantinhos preferidos!

    Bjo pra vcs,
    Pri.

  10. Erika,

    Acho que essa é a primeira vez que chamo pelo nome, pois até então não sabia.
    Muitos blogs sobre a imigração para o Canadá acabam caindo na mesmice, pois caminham pro lugar comum, já com o de vocês o que posso dizer é que sempre há algo novo, justamente pelo fato de simplesmente serem sinceros. Só posso agradecer, pois pra mim acaba deixando de ser uma fonte de informação pra ser um motivo de torcida. Torcida pela felicidade de pessoas que a gente nem conhece pessoalmente, mas que passam a povoar nossos melhores pensamentos.
    Então desejo que Deus abençoe a família de vocês a cada dia, de uma forma plena!

    abraços fraternos

    Leslie

  11. Adorei, se DEus quiser eu e minha esposa estaremos morando aí no fim do ano que vem…
    o processo federal aqui está demoraaaaando rsrsrs
    Abraços
    Fernando

  12. Nós tivemos a honra de ter o tour de Laval guiado pela própria Família Lapin!

    O importante é isso mesmo, cada um no seu quadrado.

    Agora estamos procurando qual será nosso quadrado quando formos comprar nossa maison aqui por essas bandas. É difícil, viu? Todo lugar tem seus prós e contras, tem que pesquisar muito!

  13. Erika
    Eu acho essa série de posts muito importante, exatamente para dar um melhor vislumbre de um “possível” destino.
    Agradeço a você por tê-los feito.
    Ainda não li todos, mas certamente os lerei pois (“inicialmente”) tenho interesse de viver em Montreal/Laval e seus posts me ajudarão em minha pesquisa!
    Abraços
    Cleuber

  14. Montreal laval em 3 minutos KKKKK (so se for de madrugada e a jato)moro em Montreal e trabalho em Laval e esta cada vez mais dificil o transito .Laval e uma otima cidade mas tem que fazer tuda dentro desta bela cidade , se nao vc acaba perdendo qualidade de vida .

    1. Oi César, obrigada pela visita e pelo comentário.
      Geralmente as minhas afirmaçoes eu posso provar: Acredito que vc. nao tenha visto esse post aqui (e nem o vídeo que está nele). Foi feito em dia de semana, por volta das 7:30 da manha, indo trabalhar.
      https://leslapins.wordpress.com/2010/06/17/dirigindo-no-quebec-%e2%80%93-dicas-para-quem-vai-fazer-prova-pratica-4-semaforos-faixas-de-conversao-sinalizacoes/
      Mas vc tem razao, 3 minutos para atravessar uma ponte é uma informaçao errada. O certo é 1 min e 12 segundos (sem obras na ponte, como no vídeo). Agora com obras, EU faço em 3 minutos, ao menos pelo caminho por onde EU vou. E é de carro mesmo, motor 1.6 gasolina.

      Abraços
      Lapin-Mère

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s